Lygia Clark: The Abandonment of Art, 1948–1988

Lygia Clark, Maquetes arquitetônicas (como um grupo)

Lygia Clark, Maquetes arquitetônicas (como um grupo)

Lygia Clark. Maquete para interior (Maquette for the interior). 1955
Industrial ink on wood
Private collection

Narrador: Nessas maquetes, ou modelos arquitetônicos, Clark estende sua investigação da linha orgânica – o que, para ela, significa criar incisões e aberturas no corpo de seu trabalho. Luis Perez-Oramas:

Luis Perez-Orama: O que ela chama de "linha orgânica" é algo que ela compara a, digamos, uma porta que se abre em uma parede, como vemos nessas maquetes, ou que ela compara à moldura de uma janela. Portanto, essas maquetes, apresentando todos esses elementos, devem ser concebidas como processo de pensamento para a linha orgânica.

Narrador: Connie Butler:

Connie Butler: O que também é interessante sobre esses modelos arquitetônicos é que podemos ver Lygia Clark começando a pensar em arquitetura em termos de corpo – não apenas o relacionamento do corpo com a própria arquitetura, mas arquitetura como um corpo, como algo que vive e respira e abrange o espaço.

Podemos pensar na pintura aplicada a esses modelos arquitetônicos quase como se fosse uma pele aplicada à arquitetura. E isso é, novamente, um tipo de forma metafórica de pensar sobre arquitetura como o corpo.

0:00
14 / 38