Lygia Clark: The Abandonment of Art, 1948–1988

Lygia Clark. _O eu e o tu (The I and the you)_. 1967

Lygia Clark. O eu e o tu (The I and the you). 1967

Industrial rubber, foam, vinyl, acrylon, zipper, water, fabric
66 15/16 x 26 3/4 x 3 1/8" (170 x 68 x 8 cm)
Courtesy Associação Cultural “O Mundo de Lygia Clark”

Narrador: Lygia Clark chamou esses macacões de O eu e o tu. Ela inicialmente queria que eles fossem experimentados por um homem e uma mulher — sua interação de uma pessoa com a outra e com os macacões formam o significado do trabalho. Ela disse: “O que é importante é o ato de fazer, no presente… o artista é dissolvido no mundo.”

Dentro de cada macacão estão bolsos contendo materiais diferentes. Dois participantes de qualquer sexo podem explorar esses materiais, tanto em seu próprio conjunto quanto no do outro. Connie Butler:

Connie Butler: Em O eu e o tu, o cordão que une os dois participantes pode ser lido como um tipo de cordão umbilical, mas também, a conexão entre o homem e a mulher pode ser vista como neutra, mas certamente também pode ser vista em termos sexuais e de gênero.

Os olhos dos sujeitos são cobertos por essas máscaras sensoriais. Portanto, o que eu acho que é possível é que, enquanto os sujeitos nascem divididos entre masculino e feminino, quando a exploração do corpo é iniciada por esses sujeitos, diferentes, de alguma forma eles perdem seu gênero, eles se tornam a própria experiência sensorial, pura pele, corpo, material.

0:00
10 / 38