Lygia Clark: The Abandonment of Art, 1948–1988

Lygia Clark. _O dentro é o fora (The inside is the outside)_. 1963

Lygia Clark. O dentro é o fora (The inside is the outside). 1963

Stainless steel
16 x 17 1/2 x 14 3/4" (40.6 x 44.5 x 37.5 cm)
Gift of Patricia Phelps de Cisneros through the Latin American and Caribbean Fund in honor of Adriana Cisneros de Griffin

Narrador: Clark fez esculturas de aço inoxidável, O dentro é o fora, em 1963. Ela pensava nessa obra como o último de seus Bichos, ou “criaturas.” A artista explicou como se sentiu quando segurou essa obra: “O que me move na escultura O dentro é o fora é que ela transforma a percepção que eu tenho de mim mesma, do meu corpo. Ela me transforma e eu me torno sem forma, elástica... Seus pulmões são meus."

Connie Butler: Vemos essa ideia da linha tomando forma muito literalmente na escultura. O metal começa a se mover, e fluir, e se elevar e cair na própria escultura.

Narrador: Clark queria que os expectadores a segurassem.

Luis Perez-Orama: Há um novo tipo de fluidez que você realmente experimenta ao segurar a escultura que também tende a cair entre suas mãos conforme você a segura. E é esse tipo de fluidez, esse tipo de passagem entre o exterior e o interior, que faz dessa uma das mais importantes esculturas já produzidas por Lygia Clark.

Narrador: Logo antes de Lygia Clark fazer esse trabalho, ela produziu uma série relacionada de esculturas de metal que chamou de Trepantes. Você as encontrará por perto.

0:00
2 / 38